COVID-19: Fatos sobre seu impacto no meio ambiente.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Garantir a vida hoje e sempre para todos é um compromisso social e global. Porém, o avanço tecnológico, o capitalismo e diversas crises levaram a sociedade à desigualdade generalizada e a incerteza futura. Hoje em dia, o planeta além de enfrentar uma pandemia que expõe as injustiças sociais e econômicas de maneira gritante, também é vítima de seus habitantes que provocam diversas mudanças climáticas, aquecimento global e destruição do meio ambiente. 

Esse não é o legado que queremos e devemos deixar para as gerações futuras. Nesse contexto, vale a pena refletir sobre os impactos da pandemia global e do isolamento social no meio ambiente. Além de discutir esses aspectos que são prévios à pandemia, colocar em pauta o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 13 – Ação contra a mudança climática é sempre necessário, bem como todos ODS, lembra que explicamos mais sobre eles nesse post?

1. Reduções de CO2 na China:

Fonte: ONU

Segundo reportagem da BBC, que analisou os cálculos divulgados pelo Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo (Crea) dos Estados Unidos, em duas semanas de fechamentos de fábricas e lojas na China, as emissões de dióxido de carbono (CO2) foram reduzidas em 25%. Ainda de acordo com a matéria, caso o consumo em geral seja reduzido em todo planeta e mudanças de comportamento sejam desencadeadas, as liberações desse e de outros poluentes podem ser ainda mais minimizadas. 

2. Ar mais puro nos países confinados:

Pesquisadores da NASA captaram, entre meados de fevereiro e março, imagens que reproduzem significativas reduções na emissão de dióxido de nitrogênio (NO2), produzido por diversas empresas chinesas e italianas. A análise, divulgada pela Revista Exame aqui no Brasil, aponta que o ar também deve estar mais limpo em outros países, como Itália, Espanha e Argentina. De acordo com os especialistas, essa diminuição causa, como consequência, diminuição dos efeitos inflamatórios em portadores de doenças respiratórias. 

3. Himalaia avistado na Índia:

Reprodução: Twitter @khawajaks

Depois de quase 75 anos, a Cordilheira de Dhauladhar, no Himalaia, foi avistada. O fenômeno não acontecia desde a Segunda Guerra Mundial e com as reduções nas emissões de gases poluentes na atmosfera indiana, pode ser apreciada pelos moradores locais. 

4. Dia Mundial da Terra

No dia 22 de abril, é comemorado, mundialmente, o Dia Mundial da Terra. Neste ano, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, direcionou seis ações que devem ser implementadas por governos, empresas e sociedade civil para diminuir as mudanças climáticas: 

  1. criar empregos e negócios através de uma transição limpa e verde;
  2. direcionar dinheiro dos contribuintes para obtenção de empregos verdes e ao crescimento sustentável; 
  3. transformar a economia cinzenta em uma economia verde; 
  4. investir fundos públicos em projetos sustentáveis que ajudam o meio ambiente e o clima; 
  5. considerar riscos e oportunidades relacionados com o clima e incorporá-los ao sistema financeiro; 
  6. trabalho em parceria de toda comunidade internacional. 

5. Canais de Veneza limpos depois de muito tempo 

Reprodução: (Venezia Pulita/ABRIL)

Veneza é uma das principais cidades turísticas da Itália. Pelo alto volume de visitantes em gôndolas que circulam nos canais da cidade, a água é poluída e apresenta, regularmente, aspecto lamacento. Com a diminuição do turismo por lá e o isolamento social, os canais mostram agora, água cristalina e limpa.  

São diversas notícias positivas e reflexivas que a natureza nos dá com o isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus. Apesar disso, existe um longo caminho pela frente para construirmos um mundo menos poluído e que respeite o meio ambiente. E você? O que faz, diariamente, para diminuir as mudanças climáticas? Como você se conecta com essa ODS e garante a vida para as gerações futuras? 

Fique ligado em todas as notícias sobre a ODS 13 no site oficial da ONU! 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *