Conseguiu tornar o sonho em realidade, sendo voluntário na TETO.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Mais uma vez aqui compartilhando outra nova história. Sávio conseguiu tornar o sonho em realidade, sendo voluntário na TETO, afinal construir casas com suas próprias mãos não é pra qualquer um. O dono da história de hoje tem 23 anos e foi viver a sua experiencia no Peru. Que tal conhecer melhor sobre esse sergipano?

“Consegui tornar meu sonho em realidade e o melhor, voltei uma pessoa muito diferente, com uma visão de mundo mais ampla.”
Por que você decidiu fazer seu intercâmbio voluntário?

Sávio: O voluntário global foi uma oportunidade que vi de visitar um outro país de uma maneira diferente, onde eu poderia conhecer outra cultura ao mesmo tempo que ajudava outras pessoas.

Você decidiu primeiro o país ou projeto? O que te chamou atenção no projeto que você escolheu?  

Sávio:Eu decidi primeiro o projeto, o tema de construções sustentáveis me fez imaginar milhares de coisas, principalmente porque sou técnico em edificações, então vi no projeto a oportunidade de colocar em prática o que aprendi de forma benéfica para ajudar pessoas. O país que apareceu na pesquisa com o projeto foi o casamento perfeito, pois sempre tive vontade de visitar o Peru.

Como foi sua experiência lá?

Sávio: Lá no projeto eu tinha “2 lugares de trabalho”. Entre segunda e sexta eu e os outros intercambistas participamos de reuniões no office que tinha um ar de startup. As pessoas eram super acolhedoras e quase todos eram estudantes de várias áreas. Já no domingo, a gente ia para as comunidades fazer a construção de vivendas e era onde aprendíamos muita coisa. Detalhe é que não era necessário que você fosse da área de construção civil, e sempre apareciam nos finais de semanas outras pessoas que você nunca tinha visto, pois no Peru eles tentam muito implantar a cultura do voluntariado. 

Vivendo a experiencia junto a TETO no Peru.
O que te encantou na Cultura do Peru?

Sávio: Eu amava a culinária peruana. As atrações artísticas que aconteciam na praça de Miraflores e principalmente o quanto eles falam e gostam dos povos antigos. Também dava para conhecer muito da história do país nos museus. Eu e meus amigos adorávamos ir, principalmente pela maioria ser bem barato ou de graça.

Qual foi a melhor acontecimento da viagem?

Sávio: Eu me sentia muito a vontade onde fiquei hospedado, eram dois irmãos com a idade parecida com a minha, me tratavam como se fosse da família. Tirando a energia sem igual que senti quando conheci Machu Picchu, o que muito me marcou foram os laços de amizades que criei e cultivo ainda hoje com os intercambistas que estavam comigo no projeto. A gente fazia tudo juntos, passeávamos em Lima juntos, viajamos para Huaraz juntos, enfrentamos a altitude juntos hahahah. Foram muitas risadas e aventuras, mas sério…se for ao Peru faça as trilhas de Huaraz hahaha

Valeu a pena?

Sávio: Tudo valeu muito a pena. Eu sempre tive um sonho de conhecer outra cultura. Antes de fazer o intercâmbio da Aiesec, achava que tudo era mais um sonho, que talvez em um futuro distante depois de muitos anos de formado e trabalhando eu pudesse fazer isso, mas aí eu conheci a Aiesec e tudo mudou. Consegui tornar meu sonho em realidade e o melhor, voltei uma pessoa muito diferente, com uma visão de mundo mais ampla, mais empático, acho que outra frase importante seria também mais humano. Com as dificuldades que temos nesse mundo complicado, não é uma experiência acessível para todo mundo, infelizmente, mas a pessoa que tiver a oportunidade de realizar não pode jogar fora essa chance maravilhosa de crescer ajudando.

Conta para mim, o que você achou dessa história? E você que descobriu como o Sávio conseguiu tornar o sonho realidade, acesse AIESEC mais perto de você. Ou leia mais histórias impactantes e que com certeza vão te motivar, aqui.

Você tá esperando o que para viver a Experiência?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *