Experiência na Costa Rica em uma aldeia!

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Oi gente, mais uma vez estou aqui para compartilhar mais uma história com vocês. Quero apresentar a Lígia Ferreira, de 24 anos. Ela é estudante de engenharia ambiental e decidiu viver a sua experiência na Costa Rica em uma aldeia indígena. Não é o MÁXIMO? Eu adorei conhecer um pouco mais e imagino que vocês também vão gostar! Então segue comigo e vem saber mais.

Esta é Lígia, a dona e proprietária desta história, na Costa Rica
1)Por que você decidiu fazer seu intercâmbio voluntário? O que te levou a Costa rica?

Eu decidi fazer o intercambio voluntário porque eu estava meio perdida na vida, não sabia o que queria do meu futuro profissional, nem pessoal. Então, afinal já havia passado pela experiencia de intercambio outras duas vezes. Eu escolhi a Costa rica porque queria algo mais conectado com o que estudo, curso engenharia ambiental em São Paulo. Queria realmente ficar mais em contato com a natureza, assim acabei optando pela experiência na Costa Rica em uma aldeia indígena, trabalhando com permacultura, agricultura e tudo mais.

2) Qual o projeto que você executou lá?

Meu projeto era basicamente conviver com as famílias indígenas, adquirir a cultura deles e contribuir no trabalho do dia a dia. Por isso, morávamos na aldeia Bribripa e de segunda a quinta, nosso trabalho era acompanhar uma família por semana, da aldeia. Nós ajudávamos na agricultura, colhíamos (Feijão, principalmente) e plantávamos (Cacau e PATASTE).
Então, isso tudo pela manhã, a tarde ajudávamos a parte comum da aldeia.

3) Fun moment: Imprevisto na viagem.

Acho que meu maior perrengue, foi que não tinha sinal de celular. Na verdade, quando pegava o sinal, era em um morro que só íamos para assistir o nascer do sol, o que acontecia uma vez por semana. Então, tive que desapegar totalmente da tecnologia. Mas, além de tudo, eu era a única brasileira, meu espanhol é bem básico, rs, e meu inglês estava bem enferrujado. Todo mundo que estava lá falava espanhol, menos eu. Eles falavam muito rápido e para melhorar não tinha internet para dá um Google, rsrs. Bom, foi bem desafiador, mas tudo deu certo no final.

4) O que a Costa Rica te apresentou?

A cultura da Costa Rica é a coisa mais linda que existe nesse mundo, sério! O que simplifica a cultura deles é frase Pura Vida, funciona para tudo. Se você quer animar alguém, se você está bem, se uma coisa é gostosa… E a gente só foi perceber como realmente isso fazia parte deles, lá. Uma vez, quando estávamos esperando um ônibus, estava atrasada, nervosa, preocupada com mil coisas, mas eles estavam rindo, fazendo piada e falando pura vida. rs
Um das coisas que a Costa Rica me apresentou, na questão cultural é de como as nossas preocupações estão na cabeça e o lema deles, Pura vida, te faz levar a vida mais leve.

Esse é o Gallo pinto, feijão, arroz e ovo. Eles comiam isso no café da manhã, almoço e jantar. Era nosso almoço na aldeia.

Já voltado para a cultura indígena, eles são muito profundos. A ligação deles com a natureza e com o que eles comem é algo muito lindo. Eu absorvi muito disso, afinal lá, nós almoçávamos o que colhíamos. Hoje, sempre que vou comer algo, procuro saber de onde veio e qual foi o processo desde o plantio, a colheita até chegar no meu prato. Inclusive a espiritualidade deles me tocou. Falavam que deus está na natureza, como a natureza faz parte da gente e a gente faz parte da natureza, me fez refletir bastante. Utilizavam muito de plantas com uso medicinal. Notamos que se espalhava um pouco pela Costa Rica, não apenas nas aldeias.

5) E amizades? Construiu alguns laços por lá?

Bom, como eu fui sozinha de Brasileira para o meu projeto, os Porto Riquenhos, foram os que eu mais me aproximei inicialmente. A gente criou uma laço muito forte, foi algo muito impactante para mim, viramos uma família de verdade. Logo após, chegou a Colombiana e o Mexicano e como não tínhamos internet, rs rs, a gente vivia sempre junto. Conversávamos muito, fazíamos tudo junto, a gente se ajudava, trocava a cultura de verdade, sabe? Até hoje tenho laços, tanto com eles, que vivenciaram o projeto comigo, como intercambistas dos outros projetos, que acabamos conhecendo por lá. Ainda também, mantenho contato com um indígena que de tempos e tempos, manda mensagem, falando como está a aldeia, sobre o cacau que a gente plantou, é muito gratificante.

6) Valeu a pena?

Nossa, valeu muito a pena. Todo mundo comenta que não aguenta mais me ouvir falando da Costa Rica. Foi muito importante pra mim, eu voltei outra pessoa. Dá pra ver que após isso, mudei minha visão de mundo e sobre mim mesma. Minha visão sobre tudo. Super recomendo. É uma experiencia única.

Olha só quanto amor em tão poucas palavras. Acho que Lígia conseguiu transmitir um pouco do que ela vivenciou na sua experiência na Costa Rica em uma aldeia.

Se quiser dá olhada em mais histórias inspiradoras, temos um também na Costa rica, vivida por Thais Gazarra, criadora de um campeonato. Além de vários outros lugares como, Colômbia, Peru, Argentina e muitos outros.

Mas me conta, você também está louco para conhecer a Costa Rica?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *