Growth Hacking: como crescer investindo de forma criativa

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Todo negócio tem a ambição de crescer, certo? Um equívoco comum entre empreendedores, no entanto, é pensar que esse crescimento acontece da noite para o dia, como fruto de uma ação que “deu certo”. Saiba que se algum empreendimento alcançar um crescimento repentino, trata-se de uma exceção.

Isso não significa que não seja possível crescer de forma contínua e consistente, por meio de uma metodologia que pode ser aplicada a qualquer tamanho de empreendimento, como o growth hacking. Quer saber mais sobre o assunto? Acompanhe este post!

O que é growth hacking?

De modo geral, pode-se dizer que o growth hacking corresponde a uma tática de empreendedorismo elaborada e desenvolvida em startups, visando o uso da criatividade, do pensamento analítico e das métricas sociais para ganhar exposição e, consequentemente, vender produtos e serviços.

O termo foi criado em 2010 pelo empresário Sean Ellis, com o objetivo de descrever aquilo que ele próprio já vinha fazendo pelas empresas por onde passava.

Segundo Ellis, a definição mais correta para growth hacking é “marketing orientado a experimentos”, ou seja, encontrar brechas (o que pode ser traduzido como hacks, em inglês) para o sucesso e criar estratégias que promovam o crescimento (ou growth) do negócio.

Quais são os princípios básicos do growth hacking?

Diferentemente de outras estratégias de marketing, o growth hacking vai além ao combinar ferramentas de SEO, inbound marketing e até mesmo conteúdo viral.

Trata-se da prática de encontrar aqueles gatilhos que, quando acionados, promovem um crescimento acelerado para o negócio em questão. Todavia, como já mencionamos, isso não acontece de forma tão simples e rápida como pode parecer. O growth hacking precisa primeiramente encontrar e explorar esses gatilhos — e é isso que Sean Ellis quer dizer ao se referir à prática como “marketing orientado a experimentos”.

Como aplicá-lo?

Ainda que alguns processos possam variar de acordo com o negócio, existe uma sequência básica de como aplicar e colocar o growth hacking em prática. Entenda a seguir:

Funil do growth hacking

  1. Aquisição: conjunto de práticas para atrair e conquistar clientes.
  2. Ativação: entregar a primeira boa experiência ao cliente.
  3. Retenção: quando os clientes estão satisfeitos e, assim, continuam a utilizar seu produto ou serviço.
  4. Receita: nesta etapa os clientes já estão gerando faturamento para a empresa (em vez de usar samples ou versões grátis, por exemplo).
  5. Indicações: aqui os clientes estão chamando amigos para conhecerem o seu negócio.

Geração de ideias

Trata-se da etapa onde são reunidas ideias e práticas para alavancar o processo descrito no funil. Para isso, diversas fontes podem ser utilizadas. Pesquisas de cases de sucesso, sites e benchmarking de empresas referência no mercado, blogs e grupos no LinkedIn relacionados ao seu negócio são apenas algumas delas.

Após ter em mãos as informações coletadas, deve ser realizado um brainstorming.

Seleção de ideias

Aqui devem ser priorizadas aquelas ideias ligadas aos objetivos da empresa. Para selecioná-las, podem ser utilizados critérios como:

  • complexidade ou custo de implementação;
  • probabilidade de sucesso;
  • impacto nos resultados.

Modelagem de experimentos

Essa é a fase de perguntas e estatísticas em que a ideia passa a se tornar uma hipótese. Para modelar o experimento que vai comprovar essa hipótese, é preciso ter clareza tanto no que diz respeito à barreira de crescimento a ser superada quanto ao gatilho explorado para isso.

Realização de experimentos

Etapa em que o experimento é colocado em prática, com o devido monitoramento da operação e dos resultados preliminares.

Análise de resultados

Por último, mas definitivamente não menos importante, é preciso analisar e registrar a experiência, tornando-a parte do conhecimento da empresa.

Qual é o perfil do growth hacker?

O growth hacker é o profissional que foca no crescimento baseado em métricas. Além de noções conceituais e técnicas de marketing, ele precisa entender muito bem de metodologia de experimentos, processos, tecnologia e psicologia do consumidor — saber como as pessoas se comportam durante a jornada de compra é algo essencial para um growth hacker.

Ficou claro como o growth hacking pode ajudar um negócio a crescer de forma criativa e com inovação? Gostou do conteúdo? Então curta a nossa página no Facebook!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *