Leis vigentes de intercâmbio profissional: 4 pontos de atenção

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Cada vez mais as empresas têm incluído trabalhadores estrangeiros em sua equipe, seja em decorrência da própria abertura de mercado, tendo em vista o intercâmbio de conhecimentos e de técnicas em nível global, seja pela falta de mão de obra qualificada no país para ocupar determinadas funções. Por isso, é fundamental que os empreendedores conheçam as leis vigentes de intercâmbio profissional.

A legislação brasileira impõe algumas formalidades para aqueles que desejam trazer pessoas de fora do país para trabalhar em sua equipe de funcionários. Logo, é preciso que os líderes de RH e gestores estejam atentos aos procedimentos para evitar problemas com o Ministério do Trabalho.

Pensando nisso, neste post selecionamos alguns pontos de atenção que você precisa conhecer para seguir as regras e garantir uma contratação efetiva. Confira! 

1. Requerimento de autorização de trabalho estrangeiro

Da mesma forma que acontece em outros países, aqui no Brasil também há exigências jurídicas para fazer a contratação de trabalhadores estrangeiros.

O CNIg (Conselho Nacional de Imigração) estipula as orientações e normas para a concessão de trabalho para os estrangeiros que desejam permanecer no país, seja por tempo determinado ou definitivamente.

Tal autorização é uma regra imposta pelas autoridades consulares do Brasil e é requisito para a concessão do visto permanente ou temporário ao trabalhador pelo Ministério das Relações Exteriores.

2. Obtenção de visto

O sistema de concessão de vistos é feito por demanda. Isso quer dizer que é necessário que a empresa queira contratar um trabalhador estrangeiro.

Seguindo o que afirma a legislação, os profissionais do Brasil têm prioridade nas vagas. Dessa forma, as empresas precisam justificar a necessidade de contratar um trabalhador de outro país.

Após a empresa conseguir a autorização de trabalho, o profissional precisa solicitar o visto no Ministério das Relações Exteriores. Estamos falando de um documento que vai permitir que ele entre e permaneça em território brasileiro, sendo, portanto, um requisito obrigatório para a realização de atividade remunerada no país.

3. Cumprimento da proporcionalidade

No momento em que define as regras para a contratação de profissionais estrangeiros por empresas brasileiras, a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) estabelece a necessidade de que elas sigam a devida proporcionalidade entre os trabalhadores do Brasil e os estrangeiros.

Tal proporcionalidade é regulada e prevista nos artigos 352 a 358 da CLT, a qual impõe uma quantidade mínima de trabalhadores brasileiros para cada trabalhador estrangeiro contratado por uma organização brasileira.

Então, a empresa é liberada a ter, no máximo, 1/3 de profissionais estrangeiros em seu quadro de funcionários. Em casos especiais, é possível até mesmo fixar uma proporcionalidade menor. É fundamental que a conta seja feita tanto em relação ao número de empregados quanto à folha de pagamento.

4. Proibição da discriminação salarial

A CLT também proíbe que uma corporação brasileira estabeleça qualquer forma de discriminação na remuneração dos trabalhadores estrangeiros e brasileiros que, a juízo do Ministério do Trabalho e Emprego, realizem funções análogas. 

Lembrando que há diferenças no processo de contratação entre CLT e estágio. Os estudantes estrangeiros precisam encaminhar o pedido do visto à CGIg, no Ministério do Trabalho, responsável por analisar e expedir as autorizações.

O estudante terá a possibilidade de pedir o visto de trabalho após meio ano do início do seu curso. Nesse caso, a nova condição migratória vai ter validade de um ano, podendo ser prorrogada durante o tempo do curso.

Vale lembrar, ainda, que uma das condições para que o estudante permaneça no país é que a função combinada no contrato de trabalho tenha total relação com o currículo do curso que será realizado no Brasil.

Por fim, é necessário ressaltar que é muito importante conhecer as leis vigentes de intercâmbio profissional, assim como é indispensável escolher uma empresa séria para intermediar o processo. Um ótimo exemplo é a AIESEC, especialista na contratação de estrangeiros e com atuação em mais de 120 países.

E então, você gostou deste texto? Aproveite para assinar a nossa newsletter! Fazendo isso, você receberá as nossas atualizações em sua caixa de entrada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *