Meus primeiros dias na Índia – Como superar dificuldades no intercâmbio.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Hoje em dia, as oscilações que o mundo globalizado apresenta são inúmeras. Crise econômica, desigualdade social e recentemente, a pandemia causada pela covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, são alguns dos infelizes exemplos que o planeta passa. Como movimento de liderança jovem, acreditamos que se manter positivo em meio às incertezas e buscar sempre a paz mundial entre as diferentes cultural são ações fundamentais para superar momentos como esse. Hoje vamos conhecer a história da Allana, que está começando sua história de liderança na Índia e conta para gente como está a situação por lá. 

Há quanto tempo você está aí? Está trabalhando em qual área?

“Estou há duas semanas em Chennai fazendo Sales (Vendas) e Marketing, cuido diretamente do mercado da América Latina, falando com clientes e representantes da marca no Brasil”. 

Em relação ao coronavírus, qual é a situação da Índia? Como a prefeitura da sua cidade tá tratando a situação?

“Por enquanto as medidas mais extremas estão nos aeroportos, não estão mais liberando visto e nem a entrada de pessoas dos países com mais infectados. Cheguei há quase 3 semanas e na época, apesar de não terem muitos casos, no aeroporto já estavam fazendo escaneamento das pessoas, pedindo para responder fichas médicas. Na minha cidade, está bem tranquilo porque só teve um caso confirmado até agora”. 

E na empresa? Você está trabalhando normalmente?

“Como só tem um caso no estado inteiro, ainda não precisamos fazer homeoffice, então estou indo na empresa normalmente. Ainda estou me acostumando com a rotina do país, mas as pessoas estão bem tranquilas com essa questão e se protegem com máscaras e álcool gel”. 

Quais são suas metas para o intercâmbio e como está sendo até agora?

“Como eu estou aqui a menos de um mês, ainda estou na fase de adaptação, porque o país é realmente muito diferente do nosso, então estou tentando não sair muito sozinha e aprendendo mais sobre a região. A alimentação aqui é bem diferente, como eu não gosto muito de comida com muita pimenta, esse começo está sendo de adaptação mesmo. Porém têm outras opções substitutas também que me ajudam, como a Masala Dosa, essa massinha feita com farinha de trigo e feijão, servida com molhos. 

Masala Dosa – comida típica da índia

Quanto às metas, quero desenvolver minha área de marketing coorporativo, meu objetivo é conseguir seguir trabalhando com eles após o término do intercâmbio”. 

O que já aprendeu e desenvolveu de liderança? O que ainda quer desenvolver?

“Meu intercâmbio é de 52 semanas, mas o fato de eu ser responsável por praticamente parte de um continente inteiro, me dá confiança e senso de liderança porque estão contando muito comigo”. 

Como está a comunicação com a sua família e amigos aqui do Brasil por conta da pandemia? 

“Nos falamos praticamente todos os dias e estou bem preocupada com eles. Como por aqui ainda está tranquilo, pergunto quase todos os dias além de olhar matérias nos jornais via internet. Mas todos aqui estão realmente muito engajados e focados na quarentena”. 

Assim como a Allana, milhares de intercambistas viajam pela AIESEC, buscando desenvolver competências pessoais e profissionais a fim de se tornarem líderes. No contexto que vivemos hoje, reafirmamos aqui que estamos juntos de vocês no combate à pandemia e estamos torcendo para que essa crise passe logo. 

Internamente, os intercâmbios já confirmados estão sendo adiados e diversos eventos cancelados por enquanto. 

Juntos, somos mais fortes contra essa pandemia. Fiquem em casa e se quiser, conheça mais sobre os nossos intercâmbios e reveja nosso último post, que conta mais sobre a Índia. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *