Confira 8 passos para estruturar um plano de carreira atrativo

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

O plano de carreira é o caminho do sucesso a ser percorrido pelos funcionários de uma empresa ao atingirem as metas e as expectativas pré-determinadas. Esse é, sem dúvidas, um mecanismo muito usado na atração e na retenção de talentos em um negócio.

O mercado de trabalho tem sido formado por colaboradores que desejam experiências novas e grandes oportunidades de crescimento e de aprendizado. Essa busca constante por cargos de destaque no mundo empresarial leva as organizações a pensar em soluções novas para reter e motivas os seus talentos.

Ao criar um plano de carreira, os colaboradores que estão na base podem atingir o topo, conquistar novas posições e direcionar outros funcionários. Logo, é um programa que estimula o progresso de todos os profissionais. Mas como criar um bom plano de carreira? Continue acompanhando, pois separamos 8 dicas infalíveis para que você estruture um plano de carreira atrativo! Aproveite e boa leitura!

1. Faça um benchmarking

O benchmarking é uma ferramenta extremamente produtiva e que tem sido utilizada por grandes empresas. O termo significa observar os ótimos resultados conquistados por outras empresas e tentar adequá-los à realidade do negócio.

Por exemplo, pode ser que uma empresa esteja tendo muito sucesso no seu plano de carreira, atraindo e retendo diversos talentos. O que ela tem feito para conquistar esse resultado? Uma oferta melhor de salário ou um programa de recompensa? Tentar adaptar a ideia pode ser a decisão mais certa que o seu empreendimento precisa para criar um bom plano de carreira.

2. Identifique a visão de futuro de seus funcionários

É fundamental que o gestor e o RH saibam quais são os planos futuros dos seus colaboradores. Para tanto, um bom início é fazer a seguinte pergunta: “em qual cargo você se imagina daqui a tantos anos?”.

Não fique espantado com as respostas, pois elas podem ser as mais diversas possíveis, afinal, muitas pessoas podem desejar estar em outra empresa ou até mesmo abrir o seu próprio negócio. No entanto, esse tipo de diálogo é imprescindível para entender a expectativa do funcionário, sem se esquecer do maior propósito da organização.

É preciso incentivar os colaboradores a traçarem metas pessoais também. Até porque uma vida com certo equilíbrio contribui para uma performance profissional bem melhor. Além disso, não deve-se fazer nenhuma distinção. Todos os colaboradores precisam de um plano de carreira.

3. Defina progressões de carreira

Para traçar um plano de carreira para os colaboradores, é necessário definir como vão ser as progressões de carreira: quais serão os critérios para ascender de função? A movimentação vai ser horizontal ou vertical? Quanto tempo o processo vai demorar? Tenha em mente que plano precisa estar sempre aberto a modificações.

A comunicação entre os gestores e funcionários é importante para determinar essas progressões. Fazer um diagnóstico que evidencie todas as necessidades dos colaboradores é fundamental para que as progressões sejam alinhadas com a realidade. É importante estar atento para que as decisões quanto às progressões estejam de acordo com a política salarial, com os cargos e com a estrutura da empresa.

4. Identifique pontos fortes e fracos

O passo seguinte é identificar pontos positivos e fracos em cada membro do time, estimulando o aperfeiçoamento e o aprendizado de modo constante. É bem mais simples trabalhar as habilidades que os profissionais já trazem, do que desenvolvê-la desde o início. Isso precisa ser considerado na hora de pensar sobre um plano de carreira.

Essa é uma tarefa bem desafiadora, por isso, muitos negócios acabam pedindo ajuda para um software de gestão comportamental para que consiga traçar o perfil de cada profissional. Após isso, define-se os cargos internos que são totalmente compatíveis com cada tipo de colaborador. 

5. Realizar treinamentos

O treinamento é indispensável para equilibrar os pontos fortes e fracos e estimular as forças. Quanto aos pontos fortes, é bom lembrar que os funcionários que apresentam bons desempenhos também devem treinar mais e reavaliar as qualidades, para assegurar seu aprimoramento contínuo.

Muitas vezes, por compreender que um ponto forte não precisa de aperfeiçoamento, ele pode acaba se tornando uma fraqueza, por estar ultrapassado. Quais são, afinal, os tipos de treinamentos que podem ser feitos? Confira alguns:

  • mentoring: um programa realizado por alguém capacitado em determinado setor, que orienta, acompanha e direciona a carreira de um profissional;
  • coaching: um processo para desenvolver profissionais;
  • presencial: esse é o treinamento mais tradicional, mas extremamente eficiente. Alguns empreendimentos incluem, no processo, dinâmicas em grupo, workshops, palestras etc.;
  • ensino a distância (EAD): trata-se de um aprendizado feito online. A partir dessa ferramenta, é possível customizar cursos conforme as necessidades de cada equipe interna.

6. Estabelecer metas

As metas são indispensáveis para o profissional atingir os seus objetivos. É importante estabelecer os objetivos tangíveis e também o tempo para executar as metas. Ao traçá-las, é fundamental que a empresa e o colaborador estejam cientes de que as decisões devem estar de acordo com o cenário vivido pelo empreendimento e também pelo mercado.

Lembre-se de que criar metas que são impossíveis de serem alcançadas pode acabar gerando ilusões e frustrações profissionais. Ao longo do processo, é preciso rever as metas. Constantemente, os gestores podem fazer uma reunião para saber se as metas do plano de carreira estão realmente sendo atingidas.

7. Aplicar avaliações periódicas

É extremamente comum que os profissionais mudem seus propósitos pessoais ao longo das ações dos planos de carreira. Todos estão sujeitos à mudança, concorda? Por isso, as adequações e as avaliações periódicas são essenciais para o sucesso de um planejamento.

Os ajustes e as avaliações são muito úteis para manter o colaborador engajado, fazendo correções das rotas, e também para assegurar que os planos estejam sendo relevantes do ponto de vista da empresa. O gestor pode ter como apoio:

  • as ferramentas de capacitação e de controle de produtividade;
  • dados sobre o ROI (Retorno Sobre Investimento) de um treinamento feito;
  • canais de comunicação;
  • relatórios de desempenho;
  • e diversos dados para fazer um planejamento eficaz e que possa resultar em grande vantagem competitiva para o negócio.

8. Não se esquecer do feedback

Ao criar um plano de carreira na empresa, é fundamental conversar com os funcionários para que se mantenha um diálogo pontual, aberto e totalmente sistemático com todos. Isso vai permitir que sejam feitas adaptações necessárias ao longo do planejamento, caso haja o risco de as metas não serem atingidas nas datas pré-determinadas no início. Nesse ponto, é imprescindível que o gestor esteja plenamente capacitado para conduzir os processos de feedback.

Não se esqueça, ainda, de que o plano de carreira, quando bem aplicado, é de grande auxílio para que a empresa atraia colaboradores de excelência e para que retenha aqueles que já estão na equipe. Além disso, contribui para melhorar o direcionamento dos funcionários e para aumentar a produtividade.

Gostou do texto e quer continuar aprendendo com os nossos conteúdos? Então aproveite para acompanhar nossas atualizações nas redes sociais! Estamos no Facebook, Instagram, Twitter e YouTube!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *